formats

Meus últimos dois posts são sobre o desafio bicho e planta, um desafio que pra mim foi o pontapé para entender muito meu corpo, do que ele precisa e do que ele não gosta muito rs…

A dieta (lembre-se que o significado de “dieta” é um estilo alimentar e não regime) Low Carb High Fat significa diminuir os carboidratos, principalmente pães, massas e açúcar e aumentar o consumo de gordura BOA. Isso significa que seu organismo não vai mais usar o carboidrato como principal fonte de energia, mas sim a gordura, inclusive a estocada, ou seja, você vai emagrecer. E este tipo de dieta é saudável? Vamos pensar que a agricultura só existe há 10 mil anos e com ela veio o trigo, a cana de açúcar, os grãos… Nossos antepassados lá na era paleolítica se alimentavam de plantas disponíveis e animais que eles mesmo caçavam. Ou seja, o que dava energia a eles era a gordura animal, a gordura natural das plantas que colhiam e seus nutrientes. A expectativa de vida era menor porque eles corriam perigo, eles não morriam de ataque cardíaco mas sim de ataque de uma jaguatirica, por exemplo rs… Nosso corpo evoluiu assim, nosso cérebro entende que isso é comida de verdade, que é isso que nosso organismo precisa para ser saudável e forte. Os carboidratos não vinham em formato de hambúrguer com batata frita e refrigerante, mas sim em formato de frutas e verduras. E para pra pensar a diferença da quantidade de carboidratos de um repolho x um pão francês. Para entender melhor, as duas imagens abaixo tem 30 gramas de carboidratos cada:


Screen Shot 2016-06-02 at 5.16.42 PM

Mas depois desta “breve explicação” (tem muito mais a ser lido, devore este blog e este blog), vou contar meu relato.

Estou há quase 3 meses na dieta Low Carb High Fat (LCHF). Até 2 semanas atrás eu tinha emagrecido 4 kg, mas fiquei muito gripada por uma semana, de cama mesmo, acabei comendo coisas fora da dieta e carboidratos a mais. Foi aí que consegui comparar todos os benefícios da LCHF.

Enquanto eu estou comendo comida limpa, evitando carboidratos e ingerindo mais gordura saudável, não sinto fome fora de hora, não sinto compulsão alimentar. Se nas dietas que eu tinha feito antes eu comia de 3 em 3 horas, 6 refeições por dia em média e mesmo assim sentia fome, na LCHF eu como até ficar satisfeita e esqueço da comida. Dá para diferenciar muito bem a fome com a vontade de comer. A fome é física, é um vazio no estômago, é um alerta do corpo que está na hora de nutri-lo. A vontade de comer dói o coração, dói a mente, é algo que você não consegue parar de pensar enquanto não comer o que você está pensando. A fome é: eu comeria um rabanete. A vontade de comer é: pelamordideus se eu não comer um Doritos agora eu vou matar um! E esta vontade de comer é causada pelo vício, pelo sódio, pelo açúcar, pelo sabor artificial que tem a função exatamente de te viciar.

Eu não me livrei da compulsão, eu ainda tenho uma porta mega aberta para as gordices, tanto que o pedaço de bolo que eu comi durante uma noite acordada com gripe forte foi a porta de entrada para na semana seguinte ir no bar com minha amiga e comer hambúrguer, batata frita, tomar cerveja e ainda querer um doce depois.

Mas enquanto estou certinha na LCHF, mudo completamente, principalmente em relação à compulsão. Se na festa dos carboidratos eu acordo e não quero dar bom dia, quero ir logo tomar café e comer pão até explodir, na LCHF eu acordo com um pouco de fome mas tenho toda a paciência do mundo de picar cebola, picar tomate, bater os ovos, preparar uma omelete, sentar na mesa e comer com calma.  Na maioria dos dias eu vou treinar em jejum de manhã simplesmente por não sentir fome! Minhas refeições não ultrapassam de 3 por dia. Pré-treino quando faço é um suco verde, café da manhã umas 8h30, almoço umas 13h, umas castanhas no meio da tarde e jantar umas 20h30. Antes eu não me imaginava chegando em casa e indo estudar ou fazer qualquer outra coisa sem antes jantar. Tinha que chegar e jantar desesperadamente. Enquanto preparava o jantar, ia cutucando tudo o que tinha pela frente pra comer. Agora eu chego e me policio: estou com fome? Hum, não… então vou fazer o que tenho pra fazer até sentir fome, aí paro e vou comer.

Minhas refeições LCHF. Ganhei este kit de congelados zero carb da Gym Chef mas não é publi não rs é parceria <3

Minhas refeições LCHF. Ganhei este kit de congelados zero carb da Gym Chef mas não é publi não rs é parceria <3

 

Não sentir fome e ficar mais de 3 horas sem comer não é ruim! Nosso corpo é muito inteligente, só é preciso saber ouvi-lo.

Outra coisa muito boa é que nunca mais joguei comida fora. Se eu fiz carne moída no jantar e sobrou, ela vai pra omelete do café da manhã. Estranho? Sim, eu também achava! Mas você comeria uma coxinha no café da manhã? Por que não comer ovo com carne moída? A lógica é a mesma.

Nossa mas que dieta perfeita, né? Comer gordura, comida saborosa, suculenta… Não. Eu ainda tenho muita vontade de doces, massas, pães e tenho que lutar contra isso diariamente, porém está um pouco mais fácil. Nosso organismo não diferencia arroz integral de barra de chocolate, pra ele tudo é índice glicêmico alto, tudo é carboidrato. Mas nosso paladar e nosso cérebro diferenciam. E isso é sofredor! Por isso é muito mais fácil você deixar de comer o arroz e deixar de fazer seu cérebro lembrar que existe chocolate quando seu organismo absorve o arroz. Mesmo assim ainda é mega difícil, porque chocolate é MARAVILHOSO! E verduras, salada e outras plantas? Eu gosto da maioria das coisas, mas no frio por exemplo, é muito difícil ter disciplina pra comer alface com tomate e repolho.

Enfim, já falei demais. Eu não estou aqui para ditar regras, mesmo porque não sou médica nem nutricionista nem nada disso. Eu não sou o melhor exemplo de emagrecimento e saúde porque já emagreci e engordei várias vezes, já ferrei com minha saúde quando era mais nova, incluindo inibidor de apetite – e “pago” por isso até hoje porque minha compulsão veio daí.

Só quis contar minha experiência e o que está dando mais certo pra mim, sem sofrimentos, sem passar fome, sem comer comida sem gosto.

Quero muito ter disciplina para manter a LCHF como um estilo de vida. Não é difícil, todos os lugares vai ter alguma proteína que possa ser separada do carboidrato. Já comi só as carnes da feijoada com couve, já comi só carne, alface e tomate do X salada, já adaptei diversas receitas maravilhosas, incluindo fondue e comida mexicana para low carb. Trabalhar a mente é um passo lente que dou dia após dia e eu tenho fé que vou conseguir, afinal, uma das coisas que a LCHF me ensinou é a ter paciência e não cobrar nada do meu corpo depois de tudo o que já fiz  com ele.